Eis o desafio

Nem sempre é fácil saber esperar o tempo do outro. Muitas vezes a gente apressa as coisas. Porque é muita ansiedade, porque é melhor viver logo o que tiver de ser, porque quer acabar com isso de uma vez. A gente apressa. Muitas vezes por ânsia, uma sede de viver, de botar no mundo um projeto, um sonho, um ideal. Mas aí, no meio do caminho, encontramos outra pessoa. Ah, as pessoas. Mundos distintos, por vezes tão distantes dos nossos. Mesmo vivendo na casa ao lado, mesmo dividindo a mesma cama. Pessoas são mundos inteiros que, por mais que a gente queira, por tanto que a gente tente, não há como conhecer (entender) assim logo de cara, de uma vez.

O negócio começa a encrencar quando a gente pensa que tem que ser pro outro da mesma forma que vemos pra nós. Da nossa janelinha temos uma visão parcial da realidade, é meio estranho achar que em todo lugar é do mesmo jeito, ao mesmo tempo. Que o outro vai ter as mesmas impressões, reações, emoções. Que a ficha vai cair ao mesmo tempo. Que a chavinha vai virar e passaremos a vibrar na mesma frequência, em perfeita sintonia e equilíbrio.

E o barato da vida não estaria justamente nisso? Em todas as diferenças, tons, frequências e melodias que, juntas, formariam um cenário espetacular, mas absolutamente essenciais e inteiras, próprias, completas em cada singularidade?

Eu não sei. Por que tem sido tão difícil ser empático? Por que a empatia só existe com aqueles que me são mais queridos? Quero dizer. Muito fácil me colocar no lugar do outro quando gosto dele, quando frequentamos as mesmas rodas, falamos o mesmo discurso político ou temos as mesmas preferências culinárias. Mas e todo o resto do mundo? Existe uma escala de empatia? Existe algum tipo de meritocracia? Não dá. É complicado querer que os outros andem no nosso compasso, porque do nosso jeito é claramente mais legal, bonito e eficiente, inclusive comprovado cientificamente. Pode ser. Acredito que seja mesmo. Eu mesma por vezes me pego querendo, com algumas pessoas, enfiar palavras goela abaixo e torcendo para elas se transformarem em algo produtivo lá dentro. E que transbordem. De preferência no tempo que eu julgo mais apropriado.

(Eu sei que a vida real, lá fora, é torta. Que existem pessoas que fazem mal uso do poder que têm, que violentam, que matam, ferem, ofendem, agridem. Também choro com isso. E não estou dizendo pra gente passar a mão na cabeça desse povo, muito menos fazer vista grossa. Nem era nisso que eu estava pensando quando comecei a escrever esse texto. Mas me ocorreu, porque é fácil a gente falar que não dá pra ter empatia com tais atitudes. Óbvio. É que hoje não estou me referindo aos atos, quaisquer que sejam). Estou divagando sobre a gente querer sempre que o outro nos acompanhe nos raciocínios, nos engajamentos, nas atitudes. Até nas pausas. Até nas férias. Até nas farras.

Algumas vezes a gente precisa saber esperar também. Eis aqui o desafio. O maor impasse da era do imediatismo e da eficiência. E s p e r a r. Sair um pouco do modo ativo, sentar na calçada, debaixo da sombra de uma árvore e apenas estar ali. Enquanto o outro pondera. Gesta. Transforma. A vida também acontece de pouquinho, afinal. Pode ser que seja uma postura, uma forma de ver a vida. E que tenha algo a ver com confiança, por saber que estou fazendo a minha parte; e de humildade, porque nem tudo depende de mim. Que bom que não.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s