#06 {para cuidar de mim}

Costumo dizer que eu sou uma pessoa que acredita. Por exemplo. Em 2010, meus pais ganharam uma promoção de shopping e foram ver um jogo na Copa do Mundo, lá na África do Sul, com tudo pago. Sim, foi incrível. Mas o mais curioso foi que, quando a moça ligou para dar a notícia, fui eu que atendi e comecei a gritar e pular de alegria, enlouquecida no meio da sala. Depois, a mesma moça chegou a me dizer que eu fui a única pessoa que acreditou de primeira na ligação, todos os outros acharam que era trote. Nem sequer havia passado essa ideia na minha cabeça, juro. Me senti até meio inocente. Mas a verdade é que eu sou essa pessoa mesmo. Acredito em Deus, acredito nas pessoas, no amor, nos sonhos, na força do tempo e em mais uma porção de ideias e sentimentos que fazem parte da vida. Com certeza tem muito a ver com estar vulnerável. Nunca se sabe o que vão achar de você por se jogar assim na vida, além de poder atrair alguns erros em potencial. Eu sei. E continuo escolhendo acreditar, todos os dias, em tudo que me coloca em movimento e traga algum frio na barriga. Não existe nenhuma garantia de acertos e sucesso. Mas a estrada fica bem mais emocionante e divertida, pode acreditar.

https://www.instagram.com/paracuidardemim/?hl=pt-br

#05 {para cuidar de mim}

Dizem que não lembramos de muitas coisas que aconteceram durante a nossa infância. Que sabemos o que nos contaram, tal qual nos foi nomeado, e é assim que construímos a imagem que temos dessa época e até algumas “verdades” sobre nós mesmos. Não querendo contrariar os especialistas, mas eu me lembro. Sim, eu me lembro. Do que aconteceu (e senti). E do que me falaram a respeito, na época (quando falaram). Só que as palavras usadas não davam conta de nomear com precisão. Não encaixava, sabe? Havia um desencontro. De alguma forma, o meu inconsciente não trabalhou da forma como esperavam que ele agisse. É claro que ele levou muita coisa consigo, sei que sim. Mas parece que foi meio destrambelhado no processo e deixou outras tantas num lugar que ainda consigo ver. Tem noção do que isso causou aqui dentro? Uma bagunça sem precedentes, para dizer o mínimo. Ainda trago consequências disso, não sei se passa. Por muito tempo guardei essas lembranças como uma prova de que realmente aconteceram. Até que eu descobri que podia (re)nomear tudo aquilo que ainda me era tão estranho, apesar de absolutamente real. É o que venho fazendo há quase 10 anos. E que eu chamo carinhosamente de autoanálise.

https://www.instagram.com/paracuidardemim/?hl=pt-br

#04 {para cuidar de mim}

Noite passada eu tomei um banho dez horas da noite. Já tinha tomado um mais cedo, com a minha filha. Mas esse era só meu. Um banho para cuidar de mim. Para sentir a água quente batendo na nuca, respirar fundo e deixar o peso do dia ir embora ralo abaixo. Foi quase uma meditação. Alguns dias cansam mais do que outros, né? Mesmo sem motivo aparente. Tenho tentado acolher o sentimento primeiro e pensar sobre ele depois. Às vezes, isso basta para dar conta de aliviar e trazer calma. E quando eu não sei o que fazer para me dar esse tempo, eu vou pra água. Movimento, fluidez, força, serenidade. Tudo isso é água. Gosto muito da sensação de deixar ir através da água. Além do mais, é um gatilho muito eficiente para me fazer voltar pro agora – que é o único lugar onde as coisas acontecem e onde eu realmente quero estar.

Que o dia hoje flua de uma maneira mais leve, pra mim e pra você. E que a gente saiba a quem recorrer se não for. Amém.

https://www.instagram.com/paracuidardemim/?hl=pt-br

#03 {para cuidar de mim}

Toda vez que eu vejo alguém dizer que está sem tempo pra nada, com a cabeça cheia, atolado em trabalho, tenho vontade de marcar uma horinha em sua agenda, só pra ela conseguir relaxar um pouco. Sim, eu sou essa pessoa que quer que ou outros descansem, que parem um pouquinho o ritmo frenético e olhem um pouco para si mesmos. Sabe assim, uma tarde tranquila, conversa fiada, ficar sentado na sorveteria vendo a vida lá fora? Gosto dessa ideia. Gosto de poder parar o tempo um pouquinho, tomar suas rédeas pra mim, pelo menos por duas horas numa semana bem corrida. Só não sigo em frente marcando o tal horário, porque aí seria mais uma coisa que ela teria que fazer, e não algo próprio, de dentro pra fora É tão importante a gente cuidar de quem somos. É tão importante ser gentil com o que sentimos, respeitar nosso corpo, nossos sentimentos. Inclusive, acho que é só assim que a gente consegue ser melhor pro mundo também. E o mundo anda precisando demais de calma, de respiro, de carinho, né? O Para Cuidar de Mim nasceu da minha vontade de espalhar a ideia do cuidado próprio por aí. Vou falar muito dos meus processos, das minhas memórias e dos caminhos que tenho andado, porque acredito que falando de como é aqui pode ser o começo de um diálogo entre a gente. O Para Cuidar de Mim é um projeto, em primeiro lugar, de autoajuda: as coisas que eu faço para me ajudar a estar bem na minha pele. Vai ter palavras-pensamentos e palavras-ações. Reflexões e também práticas cotidianas. Não é pra ter seguidores, só para ter companhia mesmo.

https://www.instagram.com/paracuidardemim/

#02 {para cuidar de mim}

Talvez a minha maior dificuldade seja validar os meus próprios sentimentos e quereres. Quer dizer, eu acredito em mim, ou pelo menos repito isso com uma frequência meio assustadora, mas a bem da verdade, reconheço que existe essa dificuldade em tornar real uma vontade muito grande sem motivos aparentes (pros outros). Por exemplo, este projeto. Só o fato de eu chamar de projeto já é um indicativo de que precisou se transformar em algo parecido com trabalho para ser sério e válido. Apesar de que sim, isto aqui é um projeto meu, da vida toda, em que eu sempre quis um espaço para falar dos meus processos e descobertas, que sempre foram muito solitários. Existe a necessidade, em mim, de que seja mesmo assim, porque eu sou uma pessoa introvertida, mas também existe uma vontade pulsante de compartilhar isso. Não com a idéia de apontar caminhos únicos, porque já sabemos que isso simplesmente não existe, não é mesmo? É mais como me olhar no espelho mesmo, só que vendo o que está dentro.

Agora, a pergunta que me faço constantemente e que não me sai da cabeça, é: por que, meu Deus? Por que este abismo entre o que eu desejo pra mim e o que eu, de fato, faço? Por que espero uma validação externa para algo que, em primeiro lugar, tem que fazer sentido aos meus olhos? Por que só interessa se for trabalho? Eu não sei. É como se só fosse real se outra pessoa me dissesse que é. Racionalmente eu sei que não precisa ser assim, mas continuo sentindo esse frio na barriga, pensando se vão gostar de mim no primeiro dia da escola e se estou fazendo tudo certo agora que estão olhando na minha direção.

https://www.instagram.com/paracuidardemim/