Está tudo bem

Estou bem.

Nunca uma frase tão simples abrigou tanta verdade pra mim. Estou bem e assim continuarei pelos próximos muitos dias, por um único motivo: porque eu quero.

Ontem eu quase senti uma dessas “bads” de fim de domingo. Você deve saber, aquele sentimento estranho, um buraco no peito, uma falta, um vazio. Eu quase senti. Mas, ao invés de olhar pra ele e permitir que ele chegasse, eu apenas desviei o olhar e deixei o pensamento passar adiante. Assisti uma série leve, comi chocolate e estive com as minhas pessoas, no nosso apartamento e isso foi o bastante. Hoje eu acordei e ainda estava assim. Bem.

Veja só. Não é que eu tenha ignorado um sentimento e jogado tudo para debaixo do tapete, me recusando a encarar o quer que fosse. Eu sou a pessoa que analisa tudo, sente tudo, vive tudo que vier.Gosto de nomear sentimentos para entendê-los melhor. E esse, definitivamente, não era um desses casos.

O que eu andei percebendo foi que, muitas vezes, é quase como se a gente não se permitisse estar bem, assim simples. A cabeça sempre puxa um problema, os olhos acabam indo pro que falta e aí, de repente, não está tudo mais tão leve quanto antes. De repente tudo volta a ficar pesado demais, complicado demais e precisamos resolver isso, encontrar soluções, e assim por diante, num emaranhado sem fim de problemas que até 5 minutos atrás nem estavam em pauta. É como se fosse um comportamento viciado (na verdade é) – e nenhum vício faz bem, não é mesmo?

A gente se acostumou tanto com isso que, quando a mente está tranquila, a mente vai puxando as poeiras da vida, porque a paisagem não pode ser só limpa e clara. Tem que ter um problema. Não é possível que esteja tudo bem. Sabe assim?

A verdade é que a gente precisa se permitir. Para encontrar a leveza é preciso deixar algum espaço aberto pra ela chegar. Para estar bem é preciso querer estar bem. Pode parecer óbvio, mas nem sempre a gente pratica. Lá fora existe muita coisa para nos lembrar que o mundo anda bem complicado, isso sem contar os fantasmas que já nos acompanham há tempos. Se for pra olhar só pra isso, não tem mesmo muita esperança de dias melhores. Então em algum momento a gente precisa lembrar que tudo bem estar bem. Que sim, eu posso estar bem, hoje, agora e quando mais eu quiser estar. Eu não sou os meus problemas, afinal de contas. Nada se resolve com preocupações e insônia e mau humor. Elas se resolvem com ações. E não sei como é pra você, mas quanto a mim, sou muito mais eficaz quando a minha cabeça está bem. Ou seja, é vantagem para todos os lados.

Hoje eu estou bem. Foi incrível perceber, ao longo do dia, como estava dando certo essa coisa da permissão e da presença. Arrumar a bagunça emocional nem sempre é fácil e rápido, mas é revigorante quando a gente começa a ver os resultados. Está tudo bem. E é assim que eu escolho continuar.

Anúncios